Ola Moore, com todo respeito ao trabalho, mas tenho a sensação que ficar procurando formações gráfic


  • TNT

    Ola Moore, com todo respeito ao trabalho, mas tenho a sensação que ficar procurando formações gráficas para definir o caminho de um ativo é insano. Comparo quando antigamente os profetas retiravam as tripas de uma galinha e dependendo da formação que as víceras caíam na mesa eles eram capazes de prever o futuro.  Acho que antigamente, quando não existia tantas possibilidades de cálculos matemáticos e probabilísticos feito por computadores (cmo por exemplo na época do Japonês que negociava arroz), talvez essa fosse uma ferramenta que realmente  ajudasse, mas hoje em dia não me parece mais fazer sentido.

    Desculpe a sinceridade e tom um pouco ácido, mas não consigo ver lógica e nem padrões nessa técnica. 

    Pergunta: Existe algum mapeamento atual (e moderno) e comprove estatisticamente o número de vezes que cada formação gráfica aconteceu e seguiu a tendência que ela sugeria? Sei que existe um estudo antigo em que alguém (não me recordo o nome) se deu ao trabalho de fazer esse mapeamento, mas e atualmente, existe tal mapeamento?



  • Luis, alguns padrões são mais confiáveis que outros. Gosto muito de triângulos altistas e baixistas, retângulos e congestões em fundos

    E existe um livro chamado Encyclopedia of Chart Patterns que mede as taxas de acerto dos padrões. Dá uma olhada em 

    https://www.amazon.com.br/Encyclopedia-Chart-Patterns-Thomas-Bulkowski/dp/0471668265




O Portal do Trader não se responsabiliza pelas informações e opiniões veiculadas neste fórum, sendo elas de autoria individual de cada participante. Vale ainda ressaltar que investimentos em mercado de renda variável possuem riscos, ganhos passados não garantem ganhos futuros, e a decisão final e responsabilidade sobre cada operação é de cada investidor, devendo ser tomada individualmente.
© 2018 Portal do Trader. Todos os direitos reservados.

Parece que sua conexão com Fórum Portal do Trader caiu, por favor aguarde enquanto tentamos reconectar.