Grandes Traders - William O’Neil - selecionando as melhores ações


  • admin


    Quantas vezes tentamos selecionar boas ações para um prazo maior aliando Análise Técnica e Fundamentalista?

    William O’Neil no início de sua carreira decidiu estudar posições passadas de fundos de investimento que apresentaram os melhores desempenhos, criando um método muito objetivo, porém restritivo,  que trouxe a ele retornos de aproximadamente 40% ao ano.

    O’Neil não tem problema nenhum em apresentar seu método, e insiste em dizer que gestores e investidores individuais só não conseguem retornos interessantes quando não fazem seu trabalho da forma devida, sua mentalidade é a clássica: “Hard work pays off, period”.

    Vamos falar um pouco de seu excepcional e simples método, que feito com uma diligência incrível, gerou resultados sensacionais, acredito que apresentar seu modelo de seleção de ações trará uma sensação enorme de como esse trabalho deve ser detalhista, em todas as referências a seu nome, metodologias de gestão de risco ou outros aspectos muito importantes são sempre suplantadas pelo seu modelo de seleção, embora obviamente William saiba gerir o risco de cada operação e aborda o mercado com a correta mentalidade:

    O CANSLIM, acrônimo onde cada letra indica um parâmetro do modelo para a melhor seleção de ações, segundo ele.

    C: Current earnings per share ou lucro por ação corrente

    Ele observou que as empresas com melhor desempenho retornaram de quarto a quarto no mínimo 20% nos seus lucros por ação no ano anterior ao maior avanço das ações.

    A: Annual earning per share ou lucro por ação anual

    Seus estudos demonstraram que num intervalo de cinco anos o retorno composto do indicador das ações que tiveram melhor performance após tal período, apresentaram uma média de valorização de 24% e idealmente tendo acréscimo em relação ao ano anterior.

    N: New, simplesmente novo

    Essa abordagem tende a ser bem generalista, onde os dados de seus estudos apresentaram a informação de que 95% das melhores ações estudadas para seu modelo apresentaram algo “novo”, podendo ter sido uma nova liderança, um novo produto ou serviço ou até mesmo uma nova máxima nas cotações de suas ações, nesse aspecto, William O’Neil comenta que mais de 90% dos investidores apresentam resistência em comprar ações que fazem novas máximas ( Isso não tende a ser um problemas para trend followers, certo ?)

    S: Shares outstanding ou ações em circulação

    Foi concluído que 95% das melhores ações tinham poucas ações em circulação, trocando em miúdos, as melhores ações não eram large caps ou blue chips, eram ações de empresas menores, O’Neil nota nesse ponto que a maioria dos investidores institucionais tendem a se prender em ações com volume mínimo de negociação ou ações em circulação e isso acaba por travar boa parte de sua performance.

    L: Leader ou líder

    William utiliza para esse parâmetro o nome de Força relativa, mas não o indicador técnico, mas um indicador que mostra como as melhores ações performaram em relação a todas as outras ações estudadas num período de um ano, a maior parte delas performou acima de 80% melhor do que todo o mercado antes de apresentarem seu melhor momento de valorização.

    I: Institutional Sponsorship

    As melhores ações necessariamente possuíam alguma grande instituição com bloco relevante de ações, para tal indicador, na modelagem de O’Neil nada mais objetivo ou métrico foi apresentado.

    M: Market

    Segundo o modelo, 3 em cada 4 ações apresentarão a mesma direção num movimento significativo da média do mercado, por isso é necessário saber interpretar as movimentações de preço e volume para sinais de possível topos no mercado (Análise técnica ?!)

    A modelagem apresentada por William O’Neil é extremamente criteriosa e exige muita análise de dados e balanços, porém, observando seus retornos podemos concluir que vale realmente a pena, tais ações são difíceis de se achar, menos de 2% das ações do mercado americano se encaixam em todas as características, transformando as escolhidas em verdadeiros achados de possível performance futura, ainda assim, O’Neil frisa que sua taxa de acerto ao longo do tempo é de aproximadamente 70%.

    Trader, fica bem claro que o modelo apresentado nada mais é do que encontrar as ações numa tendência de alta clara e longa, na qual também é justificada por fundamentos robustos, é muito interessante entender que de alguma forma, preços e fundamentos tendem a andar de formas próximas, e utilizando esse racional, temos bons exemplos de ações que sem nos prender a modelagem específica tiveram esse tipo de comportamento, HGTX3, MGLU3....


    Vale a pensa pensar a respeito de tal abordagem para prazos mais longos.

    Até a próxima, e se você gostou desse tipo de conteúdo não esqueça de deixar um Like, assim conseguimos melhorar os próximos artigos.

    Traders Profissionais: Aprenda como ser um trader!


Parece que sua conexão com Fórum Portal do Trader caiu, por favor aguarde enquanto tentamos reconectar.